top of page

Esteja Preparado! As Crises vão acontecer...

Atualizado: 31 de mai. de 2022

Por: Marcos Nicolas Mesquita


Sempre que eu ia à praia escutava minha sábia mãe avisando para tomar cuidado com o mar, que ele é traiçoeiro e pode virar a qualquer momento. E era sempre assim, quando achávamos que estávamos dominando o mar lá vinha a famosa frase de alerta que minha mãe falava com sua voz de alerta: “O mar vai virar!”.


Claro que, como bons nadadores e presunçosos, retrucávamos com a empáfia dos que acham que conhecem tudo em sonoro “Está tudo dominado, Dona Léa!”.


Assim são as crises, elas estão sempre ali, como se esperando o momento adequado para acontecerem.


Embora eu esteja usando uma analogia com situações do dia a dia, o que percebemos é que nas organizações, instituições, projetos ou governos que tem uma imagem, metas e uma reputação a zelar é mais ou menos a mesma coisa.


Precisamos estar atentos às ocorrências e incidentes, internos e externos, que podem acontecer e passar de uma mera possibilidade de agravamento para uma situação real de risco, confirmando-se como um problema e se transformando em algo que foge ao controle: uma crise. Assim como o mar, que pode passar de sereno e tranquilo para turbulento e perigoso, uma situação normal e confortável pode fugir ao controle e, se não for compreendida em seus possíveis cenários e impactos de forma estruturada e planejada, pode se tornar uma situação de crise.


Nada está dominado plenamente! O monitoramento constante e um processo de gerenciamento de crise implantado com ferramentas adequadas e pessoal bem treinado, podem ser o fator chave para a adoção de uma postura proativa, focada, segura e transparente, que garanta um enfrentamento da crise de maneira estruturada e eficiente, integrando as linhas defesa e combate às situações adversas.


Precisamos deixar claro que toda crise ou situação crítica é singular. Elas podem se repetir, mas serão diferentes em intensidade e impacto. Para isso, a cultura da prevenção deve fazer parte das organizações que buscam uma maturidade no tratamento de suas mudanças e transformações constantes, que podem resultar em problemas que quando não resolvidos ou contornados, se tornam crises, afetando a imagem das empresas e a reputação dos envolvidos e interessados na organização.


Uma vez criada esta resiliência empresarial e esta postura de prevenção e priorização tempestiva para os fatos mais relevantes, é notório que as organizações estarão minimizando a exposição aos cenários de crise e estarão melhor preparadas para as mudanças repentinas do “mar”. Assim, entenderão se uma crise está, de fato, estabelecida e poderão contar com seu Guideline of Crisis (Manual de Crise) para declarar a crise e instalar o Comitê de Crise para assumir as ações de combate e enfrentamento da crise, formulando e implementando o Plano de Gerenciamento de Crise.


Essa conscientização de antecipação às crises e preparação estruturada e processual poupa tempo e gastos exagerados para remediar ao invés de prevenir, e pode ser o grande diferencial das organizações que prezam não só pela continuidade da atividade presente, mas, sobretudo, para a perpetuação futura de seus negócios, o que está diretamente ligado à sua imagem e reputação.


Experiência é para ser registrada e aproveitada no futuro, e competência, eficiência e postura no gerenciamento e enfrentamento das crises precisam estar na agenda empresarial para estarmos preparados para as “viradas do mar”.


Dona Léa tinha razão!

82 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page