top of page

Inside Make Up: Reconhecendo um Sentido de Vida para Ficar Bem de Dentro para Fora

Atualizado: 1 de jun. de 2022

Por: André Luiz Dametto


Na literatura de autoajuda é comum encontrarmos a ideia de que todos podem conquistar o seu sonho desde que sejam disciplinados (ou engajados, se quisermos usar um termo da moda) na busca do seu propósito, outro hit. Logo após a leitura (quanto mais rápida melhor) nós ficamos reenergizados, e até modificamos comportamentos, mas uma semana se passa e repeat: lá estamos nós presos aos velhos padrões. Percebo que uma das causas deste conflito é a busca de sonhos ou padrões de atuação que não dialoguem com a nossa verdade, principalmente em uma sociedade onde são impostos modelos de felicidade.


Hoje em dia há muita cobrança para que sejamos perfeitos: sucesso profissional, um trabalho com propósito, aquele romance de cinema devidamente registrado nas mídias sociais, beleza de capa de revista, e a lista nunca termina.


Em uma sociedade em que tudo é espetacularizado e editável, a diferença entre realidade e fantasia depende da consciência do emissor e do receptor da mensagem. E fica a pergunta: quem somos nós fora dos stories?


Mas este ideal de Faria Limers no topo não é sustentável: nunca tivemos tantos casos de depressão e consumo de entorpecentes. As mídias nos aproximaram de quem está longe, mas também nos afastaram de quem está ao nosso lado. Compare seu número de amigos antes e depois da pandemia. É... Hoje há essa grande procura pelo sucesso e fórmulas de motivação porque as pessoas inverteram a lógica. Em vez de buscarem se conhecer, investirem nas suas vocações, prosperarem nas mesmas e obterem o sucesso como conquista e consequência, muitas pessoas adaptaram suas existências a partir do que o outro, sejam eles familiares, amigos ou as mídias, dizem que é sucesso, felicidade e realização.


Podemos perceber que em todo conflito e adversidade reside uma grande dica para o nosso objetivo de vida. Algumas pesquisas mostram que tomar riscos e gerenciar conflitos fazem as pessoas se sentirem mais felizes do que nos momentos em que julgavam ter a “vida perfeita”. A adversidade é um espelho que nos mostra quem realmente somos, quais são as nossas forças, confirmando o famoso ditado popular “o que não mata nos deixa mais fortes”. Mostrar vulnerabilidade nos dias de hoje parece ser uma grande fraqueza, mas também pode ser a maior força que uma pessoa pode ter.


Sendo assim, se você está enfrentando um desafio, pergunte-se o que ele está ensinando para você, o que você está descobrindo dentro de si ao lidar com o conflito e que faz você se admirar cada dia mais. É muito comum as pessoas sentirem até uma gratidão pela adversidade e passarem a ajudar outras pessoas em problemas semelhantes. Espiritualidade é sobre isso.


Eu gosto de imaginar que tudo está certo, na medida exata do que damos conta. Observemos a natureza, a harmonia que existe no Universo. Usando nossa lógica temporal podemos até entender que vivemos um período caótico, de conflitos crescentes, mas acredito em ciclos, e em aceitar que tudo está acontecendo na medida que damos conta. Nos cabe levantar a cabeça e agradecer muito pela graça de estarmos vivos. Se você parar para sentir, pode até descobrir uma ordem muito bela no caos, e o caos na ordem. É o ciclo da vida.


Para quem está em busca de sua essência, eu recomendo sentir mais do que pensar, e assumir o que você realmente valoriza, seja família, trabalho, relacionamentos, conhecimento…


Não há uma cartilha, o importante é você reconhecer o que vale para você e alinhar suas decisões no dia a dia. Estamos viciados em fórmulas, mas temos a engenharia mais linda que existe dentro de nós que são as nossas emoções. Quando tomarmos mais consciência de que somos seres talentosos, que pensam, mas acima de tudo sentem, muitas respostas aparecem. Daí ficamos mais conscientes das nossas vocações, empreendemos com mais efetividade, e assim enriquecemos por dentro e por fora.


Dinheiro é energia e cria ressonância com quem está vibrando positivamente. De nada adianta enriquecer por fora, mas estar pobre por dentro. Podemos ser muito mais ricos, e tudo começa por dentro. Pelo sentir quem realmente somos. E se precisarem de apoio, consultem sim os autores, professores, amigos e familiares, mas lembrem: a verdadeira ajuda começa quando você decide ser seu próprio guru.

36 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page